Total de visualizações de página

terça-feira, 17 de maio de 2011

XXVII FESTIVAL DA CULTURA IRITUIENSE.

XXVI Festival da Cultura na gravação do DVD Love Star.
  A Secretaria de Cultura do município de Irituia, a muito já vem trabalhando na organização de mais um  Festival da Cultura Irituiense dias 15, 16 e 17 de Julho de 2011, hoje 17/05, foi a escolha do cartaz para o XXVII FECUIRI e polêmicas já começam a surgir em torno do referido festival, na seção ordinária da Câmara Municipal de Irituia dia 16/05, o  Vereador Waldemir Costa (Demico) do PSDB, além de ironizar a respeito da vinda do Secretário de Agricultura do Estado do Pará Dr. Hidelgardo Nunes a Irituia, questionando em plenário se não haviam falado mal de vereador por ocasião da presença do mesmo no município, dizendo que agora nas ações da secretaria de agricultura de Irituia, deram de falar mal de vereador, referindo-se ao secretário Zezinho, o que foi defendido pelo vereador Adriano Travassos, dizendo que lá só se falou de assuntos referentes aos agricultores, Demico cobrou a presença do secretário de cultura do município, professor Orlenil Castro, na Câmara para dar explicações sobre o Festival da Cultura e sua  programação, se os grupos de Irituia também terão vez no festival coisas dessa natureza, todo esse embate se dá em torno do assunto Super Pop, uns são contra, outros a favor e assim vai, o que se questiona é se vale a pena ou não? se traz benefício ao festival ou descaracteriza o mesmo? É uma questão que tem que ser avaliada com bastante cuidado, não podemos deixar que nossa cultura morra realmente concordamos, espaço aos nossos artistas terão que ser dado e disto não abrimos mão, eu até poderia e seria a mim bastante confortável, me manifestar totalmente contrário a vinda de aparelhagem ou coisa assim, até porque temos uma banda de forró,  mais não podemos esquecer que os primeiros festivais foram feitos com aparelhagens, querem nomes? posso citar, o primeiro festival a 27 anos atrás, foi a aparelhagem Diamante de propriedade de Benedito Neres, quem a levou para a praça fui eu Romário Silva, nos controles estava Andrelino Medeiros (Deco) e assim foram durante os quatro primeiros anos, a partir do quinto festival, foi o Terremoto de minha propriedade, depois se alternavam ou tocavam todos juntos Diamante, Terremoto, o aparelho do amigo Zé Lima, e  o Sagitário do Eduardo, todos participavam do evento e ninguém reclamava, por sinal até gostavam. O festival foi crescendo, transcendeu Irituia, atravessou fronteiras, atrações a nível nacional passaram a fazer parte do evento e por certo as aparelhagens daqui de Irituia não teriam estrutura para cobrir tamanho evento, então  a coordenação passou a optar por P.A. com estrutura suficiente para o tamanho do evento, o que não podemos esquecer é que o nosso festival cresceu, hoje Irituia recebe turistas de todos os lugares, a cultura não deve ser esquecida, claro que não, mas não podemos andar para trás e deixar de trazer atrações de peso para miscigenar com nossa cultura e proporcionar uma grande festa aos nossos irituenses e aos que  nos visitam, não sejamos hipócritas em dizer que aparelhagem não faz parte da nossa cultura, porque foi exatamente com aparelhagem que começaram os primeiros festivais, falo isto porque tenho orgulho de dizer que participei, e  junto com os primeiros ajudei a idealizar o festival da cultura irituiense, não quero de forma alguma aqui me intitular fundador do festival da cultura irituiense, mas ajudei a planejar juntamente com uma grande equipe de voluntários,  desde o primeiro festival. Fiquei fora da organização por quatro anos, quando da gestão do senhor Beto Bandeira prefeito de Irituia, que por questões políticas da época, não me convidou a participar, entendo e respeito tal decisão, falo isto com absoluto conhecimento de causa. Hoje vejo muitos históricos sobre o festival da cultura, aparecem pessoas como fundadores que na época eu e os que me acompanhavam, não vou citar nomes para não cometer injustiças, não os vimos cavando buracos para fazer as barracas, ou indo buscar madeira na jonasa para fazer o palco, ou até mesmo ajudando nas noitadas, sinceramente dá até pra rir, mas a vida é assim, muitos idealizam, lutam para que coisas aconteçam e são como tratores que ajudam a fazer uma estrada e depois de pronta, não pode passar por ela a não ser que seja levado em outra condução, confesso que já me senti algumas vezes assim aqui em Irituia. Desculpem, isto é somente um desabafo que muitos como eu gostariam de fazer e não podem. 

5 comentários:

  1. Romário, não discordo da importância das aparelhagens em nossos eventos, não só o festival da cultura, que como colocas existe desde seu nascedouro, mas sim em relação a inversão de prioridades que está existindo. Veja que escreves que as aparelhagens serviam para fazer a "cobertura" dos festivais, diferentemente de hoje, onde elas passaram a ganhar lugar de destaque, sendo a atração principal. Reconheço a importância delas para a cultura paraense, e até acho válida suas participações, mas que sejam dentro de um espaço que não suprima o de nossos artistas, que elas figurem como elemento auxiliar, como foram nos primeiros festivais e, com exceção do último, vinham sendo.
    Penso que tudo se resolveria se fosse dada a devida importância a nossa gente, pois cultura não deve, jamais, ser vista apenas como um mero espetáculo, mas, sobretudo, como forma de construção da própria pessoa humana, pois é a partir dela que moldamos nossa identidade, nosso ser irituiense, e aqui reside nossa preocupação, pois o que de fato estamos deixando para nossas crianças? Qual sociedade almejamos? Aquela que reconhece a capacidade criativa de sua gente, ou aquela que incentiva a indolência coletiva? Devemos pensar nisso, pois a cultura tem esse papel intrínseco e não podemos jamais ignorá-lo.

    ResponderExcluir
  2. É mto fácil pegar o barco no meio da viagem... e sair como o principal navegador.

    O dificil é ser o condutor do barco desde o inicio, correndo o risco do barco afundar ou de um dos navegadores cairem ao mar e assumir as responsabilidades sozinho, né verdade???

    Hoje como você mesmo postou em seu blog, no meu modo de falar (exitem muitos condutores para um barco só, mas que na verdade nem no barco embarcaram e foram idealizados como Pedro Alvares Cabral descobridor do Brasil).

    Com Relação ao SUPER POP, é polêmico e prefiro não me manifestar contra nem a favor.

    Mas uma coisa é certa a oportunidade e espaço tem de ser dado a cultura Irituiense como: o Boi Bumbá, Carimbó da Terceira Idade, As Crianças do PET,os grupos Folclóricos, o Hip Hop e muitas outras coisas que já fazem parte de nossa cultura.

    E se a questão for o tempo que se torna curto, porque o Festival não se inicia na quinta feira como antigamente, desta forma o tempo não seria mais uma justificativa ou "desculpa" para a cultura ficar de lado.

    ResponderExcluir
  3. Para Rufino Jr. Caro amigo, primeramente dexe-me agradece-lo por ser nosso seguidor, o que nos deixa feliz por vossa colaboração em colocar seu ponto de vista sobre os assuntos aqui abordados, o qual respeitamos, isso não significa que, estaremos sempre concordando com as teses aqui levantadas, mas é importante para alimentar as discuções e se chegar a um denominador comum, e quem sabe convencer a todos de que nossa opinião é a correta, não discordo do amigo, mais que tudo isto tem que ser avaliado com carinho, há!! isso tem sim.

    ResponderExcluir
  4. eu fecho com a opinião do Rufino Jr. Ano passado me abalei de cap. poço para participar da ultima noite do festival, mas voltei em cima do rastro porque a atração principal seria uma dessas bandas de "forró". Que eu saiba, as aparelhagens e bandas de forro são pseudo cultura para nossa gente. Em 2007 contribui na apresentação do festival e assisti extasiado às apresentações dos grupos vindos das comunidades, dos bumbás do municipio e de Ourem, dos grupos de carimbó, dos gupos Meu Redil e Tuia Poranga; saboreei o delicioso açai da Galileia; curti Arraiá do Pavulagem e Banda Orlando Pereira. Apoteotico o festival.
    Depois que inverteram a caracteristica do evento não me abalei mais para assistir.
    Pra que gastar com bandas caras e fora do espirito do festival se temos a bem sucedida Pop Love?
    Carecemos valorizar nossos costumes. Que essas espalhafatosas equipes de artistas sejam contratadas para outros momentos. Cultura Irituiense é rica e diversificada. Valorizemo-la!
    Meu querido Orlenil, não deixe que descaracterizem nossos costumes.

    ResponderExcluir
  5. egraçado...tem gente torce contra os eventos da prefeitura,não entendo isso.se isso é ser cidadão e amar seu município...imagina de tivesse raiva,rsrrsr!
    acho que tem gente que não é feliz no amor.
    sexo é bom pra relaxar e tirar a tensão!
    abraços Romário,continue divulgando nossa culura,mesmo que sua divlgação desagrade meia duzia...

    ResponderExcluir