Total de visualizações de página

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

São Miguel do Guamá, funcionários em greve pedem saída da prefeita Márcia Cavalcante.


Representantes de sindicatos e servidores municipais de São Miguel do Guamá, no nordeste paraense, ajuizaram ontem no do Tribunal de Justiça do Estado (TJE), em Belém, ação pedindo a renúncia da prefeita do município, Márcia Cavalcante (PSD). Na última semana, protestos contra Márcia Cavalcante tomaram conta São Miguel do Guamá. Indignados com o atraso no pagamento de salários e do décimo terceiro, manifestantes fecharam o comércio, rodovias e escolas da cidade e ontem decidiram entrar em greve. Hoje haverá novas manifestações no município.
Cumprindo decisão da juíza Priscila Mamede Mousinho, da comarca de São Miguel do Guamá, o Ministério Público do Estado (MPE), através do Grupo de Prevenção e Repressão às Organizações Criminosas (Geproc), realizou trabalho de busca e apreensão na prefeitura de São Miguel e em secretarias municipais, em agosto, para investigar suspeitas de fraudes e de desvios de dinheiro público. Estimativas iniciais davam conta de um prejuízo de cerca de R$ 8 milhões aos cofres públicos. No mesmo mês, a prefeita foi baleada em uma tentativa de homicídio.
Márcia Cavalcante, que assumiu em 2010, chegou a ficar vinte dias afastada do cargo, em novembro, por denúncias de improbidade administrativa. Mas voltou ao cargo por decisão da desembargadora Gleide Pereira de Moura. Ontem, uma petição foi encaminhada à desembargadora relatando os fatos ocorridos na última semana, como o atraso no pagamento dos salários. A expectativa é de que haja uma decisão diferente antes do dia 20, quando a prefeitura vai entrar em recesso. A prefeita nega o desvio de recursos e não aceita renunciar. Hoje, os servidores fazem manifestação em frente ao fórum do município.
Fonte: Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário